Apesar da estiagem que atingiu diferentes partes do país e dos aumentos constantes em insumos e combustíveis, o agronegócio ainda é uma das áreas que mais prospera no Brasil. Somente em fevereiro deste ano, a exportação de produtos derivados do agronegócio registrou aumento de 65,8% em relação ao mesmo período do ano passado, um recorde de US$10,5 bilhões.

Os dados foram divulgados no último dia 14, pelo Ministério da Agricultura, demonstrando que essa alta deve-se ao impulso de embarques de soja, carne bovina, café verde, trigo, carne de frango e farelo de soja. 

Além dos últimos números, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) fez uma estimativa de que o Brasil irá desempenhar papel de destaque frente à crescente demanda global por alimentos e produtos agrícolas, esse aumento deverá ser de 50% até 2050. Porém, apesar dos números positivos e das grandes chances do Brasil transformar-se em potência agrícola mundial, ainda é necessário investir em recursos que tragam mais globalização ao sistema, como por exemplo, apoio tecnológico aos produtores. 

Acesso à tecnologia

A consultoria Ernst & Young realizou uma pesquisa ouvindo 384 agricultores com atuação em setores que representam 85% da área cultivada no Brasil. 99% dos entrevistados declararam que possuem celular e destes, 94% utilizam internet e têm acesso a ferramentas como o WhatsApp. No entanto, o manuseio dessas tecnologias fica mais a cargo dos jovens.

Ferramentas de gestão no agronegócio

Atualmente já existem ferramentas de gestão e de comercialização no agronegócio aliadas às novas tecnologias. Este suporte tende a aumentar cada vez mais a produtividade e a qualidade dos produtos do segmento, além de reduzir custos e desperdícios. 

Esse cenário ganha destaque com a grande pulverização de empresas, a complexidade das operações e suas variáveis externas e o histórico de importação tecnológica focada no agronegócio, seja em maquinário, em cultivo e gestão.

O processo de inovação é um fluxo contínuo e que toma espaço nas lavouras aos poucos, especialmente quando temos exemplos e cases de sucesso no meio. Algumas ferramentas de gestão no agronegócio contemplam:

– Implementação de infraestrutura de tecnologia da informação (TI); 

– Softwares de segurança que permitem rastrear, visualizar, analisar e proteger dados não estruturados;

– Controle de estoque de produtos e insumos, como fertilizantes, utensílios e maquinários;

– Controle de consumo de combustível e abastecimento do maquinário.

Assim o agronegócio caminha para nova fase do ciclo de investimentos. Se os últimos anos permitiram grandes aportes, aquisições e desenvolvimento de tecnologias, agora a roda começa a girar para um momento de percepção e consolidação do uso das ferramentas digitais. 

A pesquisa Agenda 2022, realizada pela Deloitte ao final de 2021, mostrou que 90% dos executivos entrevistados do agronegócio e do setor de alimentos sinalizaram que vão investir em qualificação tecnológica. Então, por onde começar?

Como economizar aplicando a tecnologia no agro

Definir focos e estratégias é o primeiro passo. Analisando a mudança no ciclo de investimentos do país, o combustível é um dos principais fatores de oscilações e incertezas.

O reajuste de 24,9% no diesel afeta todos os setores que dependem do combustível para exercer seu trabalho. Por isso, economizar no abastecimento a partir de uma gestão eficaz com apoio tecnológico pode fazer toda a diferença no setor agrícola.

Com isso, o CTA Smart pode ser um grande aliado no controle de abastecimento de frota e maquinário, trazendo mais autonomia e gerenciamento, de forma rápida e inteligente. O equipamento é instalado diretamente nas bombas de combustível ou em caminhão comboio, garantindo segurança e precisão de dados para gestão do maquinário.

E o funcionamento também é de fácil acesso para o gestor: todos os dados são enviados em tempo real para o sistema e apenas pessoas autorizadas poderão liberar abastecimentos. 

No agronegócio, invista em soluções que vão auxiliar no processo de inovação tecnológica, trazendo economia e agilidade em outros setores da gestão, como o consumo de combustível. Para saber mais, converse com um de nossos especialistas – clique aqui.