Smart News – Boletim semanal

Olá, leitor! Chegamos com mais uma edição do Smart News por aqui. O seu boletim semanal atualizado sobre tudo que aconteceu de mais relevante durante os dias 27  de novembro a 1º de dezembro.

Por aqui, todas as sextas-feiras, ao meio dia, reunimos os fatos mais importantes da semana dos setores de:

  • Transportes de diversos segmentos;
  • Logísticas;
  • Tecnologias;
  • Economia;
  • Agronegócio.

Fique de olho no nosso balanço semanal e tenha a informação na palma da sua mão através do nosso Instagram e Linkedin!

Smart News, a semana resumida, a informação completa.

Boa Leitura!

Revisão dos pisos mínimos de frete pela ANTT pode incrementar salário-base em até 8%

Após pesquisas de valor do mercado, realizadas ao longo do ano em todos os estados, foi identificada a necessidade de atualizar itens apresentados na última resolução, como: valor da alimentação, pernoite, diária e piso salarial do motorista. Já em relação a manutenção dos veículos, a atualização abrange o preço dos pneus, aditivo Arla, óleo de motor e transmissão; outra atualização se dá no valor do implemento rodoviário e do veículo, com base na consulta da tabela FIPE. O impacto médio é de incremento que varia de 3,5% a 8%.

A audiência híbrida realizada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), nesta segunda-feira (27/11), contou com a contribuição de representantes da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (ABIOVE), Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga (ANUT), sindicato de caminhoneiros e transportadoras.

O próximo passo é a análise de contribuições públicas, que ainda estão em aberto e podem ser enviadas até 6 de dezembro. A expectativa da Agência é publicar a revisão da resolução em janeiro de 2024, após a análise das contribuições, posteriores alterações e deliberação da diretoria.

Fonte: Governo Federal

Primeiro avião comercial movido a combustível 100% sustentável decola de Londres para Nova York

O avião da Virgin Atlantic decolou nesta terça-feira (28/11) abastecido com combustível 100% sustentável (SAF) em um voo de longa distância. O combustível utilizado na travessia é composto principalmente por óleo de cozinha usado, resíduos de gordura animal e querosene aromático sintético produzido a partir de resíduos de milho.

O Boeing 787 é o primeiro modelo de avião comercial a seguir a travessia transatlântica de um jato Gulfstream G600, que utilizou o mesmo combustível e mesmo trajeto, na semana passada. A aviação é responsável por até 3% das emissões globais de carbono. Uma das soluções para a categoria seria o uso do combustível sustentável, que pode reduzir a queima de combustíveis fósseis e emissões de gases de efeito estufa em até 70%. No entanto, o substituto do combustível ainda não pode ser visto como opção escalável, devido a pouca oferta e alto custo -em torno de três a cinco vezes maior que o combustível comum.

Dias antes do início das negociações climáticas da COP28, em Dubai, o voo apelidado de Flight100, decolou sem transportar passageiros “pagantes”, apenas a tripulação, acompanhada pelo fundador da  Virgin Atlantic, Richard Branson, o presidente-executivo da companhia aérea, Shai Weiss, e o ministro dos transportes da Grã-Bretanha, Mark Harper.

Fonte: IstoÉ

Levantamento revela apenas 1/3 da malha rodoviária do país apresenta condições ótimas ou boas

Segundo a 26ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias, realizada pela Confederação Nacional de Transporte e pelo SEST SENAT, nesta quarta-feira (29/11), o custo operacional do transporte de cargas por rodovias aumentou em 32,7% devido à má conservação das estradas. Esse cenário impacta diretamente nos preços de frete e, por consequência, nos produtos para o consumidor final, além de contribuir para o aumento do consumo de combustível fóssil e para a emissão de gases poluentes.

O levantamento  revelou que aproximadamente 67,5% da extensão das rodovias do país é classificada como regular, ruim ou péssima, enquanto somente 32,5% é considerada ótima ou boa. O estudo avaliou 111.502 quilômetros de estradas pavimentadas, abrangendo tanto trechos federais (BRs), totalizando 67.659 quilômetros, quanto os principais trechos estaduais, somando 43.843 quilômetros.

A classificação geral das rodovias considera três aspectos principais: Pavimento, Sinalização e Geometria da Via. Os resultados de 2023 indicam que 56,8% do Pavimento, 63,4% da Sinalização e 66,0% da Geometria da Via foram avaliados como regular, ruim ou péssimo.

A pesquisa estima que, devido à má qualidade dos trechos, cerca de 1,139 bilhão de litros de diesel serão consumidos desnecessariamente no transporte rodoviário nacional, resultando na emissão de aproximadamente 3,01 milhões de toneladas de gases poluentes na atmosfera. Além disso, ela revela que rodovias públicas apresentam percentuais mais elevados de avaliações negativas (77,1%), enquanto rodovias concedidas têm percentuais mais altos de classificação como boa e ótima (64,1%).

A situação das estradas demonstra problemas como quedas de barreiras, erosões nas pistas, buracos grandes e pontes danificadas, comprometendo a segurança dos usuários, aumentando os riscos de acidentes e gerando custos adicionais ao transporte. Entre as intervenções prioritárias estão a recuperação, manutenção e reconstrução de trechos avaliados, além da eliminação de 2.684 pontos críticos, como quedas de barreiras, pontes danificadas, erosões nas pistas, buracos grandes e outros elementos que prejudicam a fluidez das vias.

Fonte: Agência CNT

Plantio de soja no RS alcança 50%, porém atraso preocupa agricultores

A Emater/RS expressou preocupação pois o atraso pode afetar a produtividade e dificultar práticas de manejo adequadas. Apesar do avanço significativo em relação ao período anterior, em que apenas 25% das lavouras estavam plantadas, o progresso não acompanha os índices do ano passado, quando 70% da área já estava cultivada.

Os técnicos explicaram que houve um aumento no ritmo de plantio na última semana devido à redução dos dias chuvosos, no entanto, a umidade do solo permaneceu elevada em partes inferiores, causando revolvimento nos sulcos de colocação de fertilizantes e sementes. Além disso, problemas fitossanitários, como o damping off, foram observados em algumas áreas semeadas anteriormente, exigindo replantio.

Danos significativos foram relatados em lavouras recém-semeadas devido a chuvas mais fortes, levando a alagamentos em áreas planas e erosão em locais inclinados, resultando na perda de sementes e insumos. O uso de grade no preparo para o replantio será necessário.

Apesar das preocupações, os produtores estão atentos aos mapas climáticos, buscando os melhores momentos para o plantio. Esta semana foi marcada por uma valorização leve da soja no Rio Grande do Sul, com a saca passando de R$140,18 para R$140,43, conforme apontado pela Emater.

Fonte: Globo Rural

NAVEGAÇÃO RÁPIDA

Posts Relacionados

Tecnologia e inovação no abastecimento de máquinas pesadas: como manter sua operação à frente do mercado Gestão de Frota

Tecnologia e inovação no abastecimento de máquinas pesadas: como manter sua operação à frente do mercado

O abastecimento de máquinas pesadas em diferentes segmentos de mercado, como construção civil, mineração e agrícola, revela desafios substanciais para os gestores. Primeiro, são setores que movimentam montantes […]

CONTINUE LENDO
Segurança e eficiência: investindo com confiança na automação do abastecimento interno Gestão de Frota

Segurança e eficiência: investindo com confiança na automação do abastecimento interno

A automação do abastecimento interno é a melhor decisão para gestores que buscam segurança e eficiência. Os gastos com combustível representam uma fatia importante dos custos operacionais em […]

CONTINUE LENDO

Inove a gestão da sua frota e começa a economizar diesel Hoje mesmo

FAÇA UM ORÇAMENTO